1 comentário

Poema nu

Em gritos de nudez fomos feitos.
Entre lágrimas de nudez morreremos.
No entretanto, o corpo hiberna na condenação ao pudor desejado.
Fecha-se como um livro de páginas censuradas.
Como uma ilha de ninfas amaldiçoadas, castra-se.
Como o medo que se esconde num cálice de fogo gelado.
Escrevo-me nua.
Tal como este poema. Sou princípio de lágrima.
O poema, esse, desconhece a nudez das cinzas.
Lê-me como palavra. Oferece-me a eternidade

 

Um comentário em “Poema nu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: