Deixe um comentário

Sessenta e nove vezes… boquilíngua.

Sugar e ser sugado pelo amor 

no mesmo instante boca milvalente

 

o corpo dois em um gozo pleno

que não pertence a mim nem te pertence

 

um gozo de fusão difusa transfusão

o lamber o chupar o ser chupado

no mesmo espasmo

é tudo boca boca boca boca

sessenta e nove vezes boquilíngua.

 

“Carlos Drummond de Andrade”


Deixe um comentário

Fome e sede de ti

 

Esta noite eu quero que me sirvas,

Hoje quero saciar minha fome…

Fome do teu cheiro, do teu gosto, do teu calor.

Hoje quero saciar minha sede…

Sede de ti! Lamber teu suor gotejante em meu rosto,

Beber de você! Senti-lo derreter de prazer dentro de mim.

Sacia minha fome, sacia minha sede…

Esta noite eu quero você…

 

Anja_Arcanja®

Deixe um comentário

Chocolates, pimentas e anja

Uma anja que vagueia na terra.

A procura pelo gosto gostoso dos mortais.

Chocolate, pimenta, saliva, suor e sangue,

Representam o desejo que tenho… Continue lendo »

1 comentário

Como tu queres? (by Anja_Arcanja)

Hoje te quero inteiro, por inteiro.

Preciso saciar-me de ti.

Sentir teu corpo molhado, suado,

Intenso e rígido dentro em mim.

Não me importas ser anja,

Só me faças mulher.

E quando sentir-me tua,

Serei o que você quiser. Continue lendo »

Deixe um comentário

Quero ser tua…

Quero ser tua… Sentir teus olhos a me despir,

Quero ser tua… Sentir teus lábios a me beijar.

Quero ser tua… Tua respiração poder ouvir…

Quero ser tua… Tuas mãos a me tocar…

Sou tua… Desnude-me inteira…

Sou tua… Beije-me e beije-me.

Sou tua… Suspiro por teu desejo.

Sou tua… Tuas mãos a me tocar… Continue lendo »

Deixe um comentário

O amor da pele branca e morena (um poema bissexual)

Vem, beije-me e deixe-me toca-la
Vem… toque-me e deixe-me beija-la
Sinto no rubor de tua face todo teu tesão
Asas… corpo… curvas e seios…
Com prazer intenso nos entregamos
Quando tu me tocas a vulva e eu teus seios
Há… as cores mudam, meus olhos cintilam
Tua pele branca estremece em arrepios… Continue lendo »
3 Comentários

O doce sabor do adultério

Lá estava eu… mais uma vez na correria! Terminei de ministrar uma aula sobre hamartiologia aos alunos do seminário e ainda tinha que correr para chegar antes que terminasse o ensaio do ministério de louvor a fim de poder ouvir e aconselhar uma das moças deste ministério, o qual eu era conselheira. Ela estava passando por problemas em seu casamento e queria expor-me suas dúvidas e seus conflitos na esperança de que eu pudesse orienta-la a agir da melhor maneira possível, pondo fim ou pelo menos, amenizando ao máximo aos problemas conjugais pelo qual estava passando.

Mas não poderia ter vindo em pior hora tal pedido! Eu também estava atravessando uma crise em meu casamento. Eu e meu esposo que era um dos pastores em nossa igreja e também professor e secretário no seminário, estávamos separados por motivos que aqui não cabem ser citados; mas só o pastor sênior sabia de nossa atual situação. E como se isto não bastasse, eu estava muito excitada, ainda mais havendo acabado de ministrar uma aula sobre o tema “pecado”. Já fazia um mês que meu esposo estava fora, e claro, que a situação não havia explodido de uma hora para outra, mas já se delongava o que contribuiu para que nós já estivéssemos sem ter relações há aproximadamente três meses. Há… e como eu estava excitada! E isto poderia alterar minha racionalidade, interferindo negativamente em meu julgamento e posterior conselho. Enfim, era o pior momento. Mas prossigamos…

Ao chegar ao templo, percebi que a tal moça não havia ido, o que na hora me aliviou, mas em seguida me perguntei o que poderia ter acontecido. Mas, estando ali, resolvi assistir ao resto do ensaio, na esperança dela ainda chegar, mesmo que fosse só para poder conversarmos. Foi então que pude notar com olhos de mulher toda a beleza singular do líder do ministério de louvor. Um jovem rapaz no auge de seus vinte e cinco anos, moreno e muito bem afeiçoado. Sempre estava com uns óculos que eu, particularmente achava muito excitante. Dava-lhe um ar intelectual e despojado ao mesmo tempo. Eu comecei a reparar nos detalhes… ele estava por completo inserido no ministério: acertava as vozes, os instrumentos e ainda era inigualável guitarrista! Um maestro que com arte e dedicação exercia sua função.

Eu ali, sentada na segunda cadeira da terceira fileira apenas a observar o homem por detrás do maestro, tendo os mais libidinosos pensamentos com aquele rapaz. Quando fui surpreendida pela pergunta que ele me fez: – O som está bom pastora? – mal pude ouvi-lo, apenas ouvi o que minha mente me fazia ouvir: – hoje eu quero possui-la pastora! – ele de novo me chama: – pastora? Então acordo! Olho-o e percebo um sorriso maroto. Apenas digo: – desculpe-me. E ele repete a pergunta sobre o som. Eu digo que sim, mas o chamo para se sentar ao meu lado para que ouvisse e pudesse ter certeza. Continue lendo »